WeCreativez WhatsApp Support
Fale conosco
Olá! Como podemos te ajudar?

O que é tanatopraxia e qual a sua importância?

O que é tanatopraxia e qual a sua importância?

Tanatopraxia é uma técnica que revolucionou o mercado funerário por meio de técnicas que resgatam a boa fisionomia do falecido.

Trata-se de um procedimento que tem por objetivo preparar e conservar o corpo para a cerimônia fúnebre, evitando, assim, que ocorram decomposições naturais durante a despedida.

A tanatopraxia não só tem o objetivo de preparar o corpo, mas também é uma forma de manter sua aparência agradável, proporcionando aos familiares a recordação apenas dos bons momentos.

A perda de um ente querido em si é um momento de profunda dor e tristeza para os familiares, e a última lembrança que ficará marcada será a da despedida. Sendo assim, a tanatopraxia se apresenta como uma forma honrosa de retribuir o carinho e de prestar uma última homenagem à pessoa que faleceu.

Como surgiu a tanatopraxia?

A tanatopraxia surgiu durante a Guerra Civil Americana, entre 1861 e 1865, e passou por muitas mudanças e modernizações ao longo dos anos. Os primeiros países que se tornaram adeptos da prática foram a França, a Itália e os Estados Unidos.

A técnica foi desenvolvida devido ao fato de que os corpos dos soldados que perdiam suas vidas nas guerras serem arrastados por centenas de quilômetros. Com isso, os corpos ficavam desfigurados, fazendo com que as famílias tivessem uma última lembrança triste do ente querido.

Nesse contexto, a tanatopraxia foi a responsável por deixar o corpo dos soldados que morriam no campo de batalha com um aspecto mais saudável e vívido. No Brasil, a prática chegou em 1990, e um dos primeiros estados a realizar o serviço foi Minas Gerais.

Contudo, estima-se que o procedimento já exista desde a pré-história, porém, não com o mesmo nome. A técnica que era feita anteriormente, chamada de embalsamamento, era adotada pelos egípcios antigos e consistia na remoção dos órgãos e inserção de substâncias específicas no corpo.

O embalsamamento era um procedimento caro, destinado apenas aos nobres. Naquele período, mantinha-se a crença de que os faraós viravam deuses após a sua morte e alcançavam a vida eterna. Com isso, após o embalsamento, eram realizadas cerimônias glamurosas e, por fim, ocorria a mumificação.

Apesar da semelhança histórica, as técnicas são bastante diferentes. A tanatopraxia é feita de maneira mais controlada e moderna. A princípio, o serviço era visto como algo desnecessário, com finalidade apenas estética. No entanto, nos dias atuais, a tanatopraxia é algo indispensável em todas as funerárias, inclusive por motivos de segurança.

 

Qual a diferença entre tanatopraxia e embalsamento?

Se a tanatopraxia consiste na técnica de preparar o corpo contra o risco de contaminações e para manter uma boa aparência no momento de despedida, o embalsamento é um procedimento que visa preservar o corpo para um período maior de velório. No caso de transporte aéreo nacional ou internacional, o embalsamamento é obrigatório.

A diferença entre essas duas técnicas é que a tanatopraxia não realiza a retirada de órgãos. Contudo, são usados equipamentos modernos que fazem a remoção de fluidos e a injeção de substâncias químicas com preparo controlado e com aval científico.

O tempo mínimo estimado para a preparação de um corpo cuja causa da morte tenha sido natural é uma média de 60 a 90 minutos. É importante avaliar onde e como ocorreu o óbito, e, em certos casos, esse processo pode demorar em média 4 horas para ser finalizado.

 

Como é feita a tanatopraxia?

O primeiro passo é a preparação do material que será utilizado. Em seguida, o corpo é colocado em uma mesa e passa pela avaliação da massa corpórea. Feito isso, um produto químico é inserido no falecido por meio de injeção.

Durante a injeção dos produtos, o corpo deverá ser massageado para que facilite toda a drenagem dos líquidos. Depois desse processo, deve-se esperar cerca de 30 minutos para a ação das substâncias.

Na sequência, é feita a aspiração de todos os líquidos corporais e é adicionado o algodão para tamponar o nariz e a boca. Isso, atualmente, é feito de maneira mais cuidadosa, para que nada fique visível durante o velório.

Para finalizar, o corpo é lavado e vestido. Depois de passar por todos esses cuidados, são evitadas as reações indesejáveis do corpo.

 

A maquiagem funerária

O último passo é a necromaquiagem. Ela é bem diferente da maquiagem tradicional e tem a finalidade de trazer um aspecto mais agradável à pessoa que faleceu, para a sua apresentação à família. As técnicas e produtos usados são específicos e servem, principalmente, para neutralizar o tom da pele e esconder hematomas.

O objetivo, nesse caso, é deixar a pessoa com a aparência mais próxima da que tinha em vida. Para isso, o profissional responsável pode conversar com a família para saber mais sobre o estilo pessoal e até solicitar alguma foto da pessoa que faleceu.

Todo o procedimento é feito de maneira eficaz e cuidadosa, com o objetivo de deixar o semblante do falecido com um aspecto sereno, como se estivesse dormindo. Com isso, é possível prestar homenagem com dignidade ao falecido, visto que essa técnica evita constrangimentos durante o velório. 

 

Níveis de tanatopraxia

Para cada caso é necessário um procedimento diferente. Assim, é possível afirmar que a tanatopraxia está dividida em três níveis de recomendações, são eles:

 

  • nível 1: corpos que serão velados por um período de até 12 horas;
  • nível 2: corpos que serão velados por até 24 horas e traslados intermunicipais;
  • nível 3: corpos necropsiados (ITEP ou SVO) e para traslados interestaduais.

Diante dessa determinação, é preciso avaliar quais as necessidades de cada atendimento para oferecer o melhor serviço, de forma responsável e empática.

 

Como os materiais são preparados?

Como se trata de um procedimento bastante delicado, é preciso que exista um preparo cuidadoso do local e dos materiais que serão usados. Assim, alguns itens importantes são: pinça, tesoura, bisturi, aspirador nasal, dissecadores, agulha, linha, bombas aspiradoras e injetoras. 

​Eles precisam ser higienizados antes e depois do uso para evitar contaminação.

Contar com os equipamentos adequados é fundamental para conseguir um bom resultado e garantir uma despedida digna para a pessoa que faleceu, além de uma experiência menos dolorosa para a família.

Além disso, o uso correto dos equipamentos e materiais é fundamental para que o procedimento atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e para que não cause impactos ambientais.

 

Qual é o impacto sanitário da tanatopraxia?

O procedimento de tanatopraxia tem um importante papel sanitário, como a desinfecção, que consiste em destruir inúmeros microrganismos causadores de doenças que poderiam ser transmitidas durante o traslado e a cerimônia de despedida.

Quando uma pessoa morre, automaticamente seu corpo entra em decomposição. Com isso, alguns agentes patogênicos morrem de imediato e outros permanecem vivos nos tecidos corporais, o que gera o risco de contaminar as pessoas que tiverem contato com o corpo, inclusive familiares e amigos que tocarem na pessoa durante o velório. 

Sendo assim, a família, que optar pela não realização do procedimento, poderá ser responsabilizada por eventuais contaminações durante a cerimônia de despedida.

Com a realização da tanatopraxia, o corpo é preparado para que fique com uma boa apresentação para os familiares. Isso evita muitas situações desconfortáveis, como odores, liberação de fluidos e alterações na feição da pessoa que faleceu. Dessa forma, é possível fazer um velório mais longo e seguro.

Nesse sentido, a técnica possibilita determinar a duração do velório, o que permite que familiares distantes consigam chegar a tempo do sepultamento. Além disso, a tanatopraxia permite a locomoção segura e dentro das normas sanitárias para casos que necessitem de um traslado para grandes distâncias. Assim, é preciso avaliar a situação de acordo com os três níveis apresentados anteriormente.

Vale destacar também que a técnica envolve a reconstrução do rosto do falecido, principalmente em casos de acidente ou quando o corpo estiver desfigurado. Auxilia, ainda, nas ocasiões em que a pessoa que faleceu é encontrada em estado de decomposição.

Dessa forma, a tanatopraxia ajuda a fornecer uma despedida digna, sem que seja necessário que o caixão fique fechado durante a cerimônia, como ocorre em muitos casos.

 

Qual é a formação do tanatopraxista?

O processo de tanatopraxia só pode ser realizado em locais apropriados e por pessoas especializadas, nesse caso, o responsável por esse procedimento é o tanatopraxista.

Para exercer a função de tanatopractor, é necessário um curso técnico avançado, pois é uma profissão que consiste em aprender técnicas de anatomia e instrumentação médica. Durante a formação, o estudante aprende sobre a preparação e aplicação correta das soluções químicas e quais os procedimentos específicos para cada caso.

O profissional precisa compreender a sua responsabilidade ética no processo de preparação do cadáver. Além disso, precisa estar preparado para o contato com a família, para que ofereça um atendimento humanizado. Assim, tudo deve ser feito com muito respeito e cuidado.

 

Como escolher uma funerária para realizar o processo?

É preciso escolher com muito cuidado o local onde será feito o procedimento. Como existem muitas exigências, é importante se certificar de que todas elas são atendidas para que tudo aconteça da forma adequada.

Buscar um plano funerário familiar pode ser uma boa alternativa para quem quer se prevenir e evitar transtornos no momento da perda de um ente querido. Isso permite conhecer melhor a empresa que será contratada, fazer uma avaliação do valor, do cumprimento das normas legais e da postura ética da agência com calma.

A tanatopraxia nem sempre é necessária e o que vai determinar isso são as condições do falecimento. Portanto, é preciso avaliar com antecedência se o plano cobre esse tipo de serviço, se ele for necessário.

Caso a família não tenha um plano funerário e a escolha precise ser feita em um curto prazo, a recomendação é buscar referências sobre a empresa. Além disso, é fundamental consultar os registros legais para se certificar de que todo o procedimento é feito dentro do que prevê a legislação correspondente.

 

Quando a tanatopraxia não é necessária?

As regras em relação à obrigatoriedade da tanatopraxia variam de acordo com cada região. Porém, em geral, ela é indispensável apenas nos casos em que houver a necessidade de transporte intermunicipal do corpo, quando o sepultamento acontecer em até mais de 24 horas após o falecimento ou por indicação do médico que assinou o atestado de óbito. Em outros casos, pode depender da decisão da família.

Nesse sentido, é importante consultar os profissionais responsáveis para se certificar da real necessidade do procedimento. Existem situações em que a causa da morte pode fazer com que o serviço seja indispensável, pois podem acontecer vazamentos de fluidos em menos de uma hora após o óbito.

A tanatopraxia também pode ser importante em situações de morte violenta, em que haja a necessidade da reconstrução facial ou que seja aplicada alguma técnica específica de preservação.

 

Como a tanatopraxia ajuda a família?

O impacto da tanatopraxia é muito grande na família. Como já destacamos, essa prática previne situações desagradáveis durante o velório, como odores, inchaço e liberação de fluidos. Além disso, a aparência mais serena e natural proporcionada à pessoa que faleceu ajuda a minimizar o impacto provocado pelo velório e evita uma situação que pode ser traumática.

É uma forma de trazer maior conforto e tranquilidade ao momento do adeus, pois confere uma aparência de paz à pessoa que se foi, o que pode aliviar o luto. Além disso, poupa a família de se deparar com as desfigurações que podem acontecer ou de precisar realizar o sepultamento com o caixão fechado.

Quando são seguidos todos os procedimentos éticos e legais, é possível oferecer uma despedida mais digna, com respeito à história da pessoa que se foi. Isso permite também maior tempo para que seja feita a cerimônia. É um amparo importante para amenizar as dores provocadas pela perda e evitar que se guarde uma imagem desagradável de quem faleceu.

 

Como vimos, a tanatopraxia é um procedimento importante para os óbitos, pois previne uma série de problemas que podem acontecer com o corpo, além de devolver a boa aparência à pessoa que se foi. Assim, é um serviço que precisa ser conhecido, para que a família compreenda a sua contribuição para o processo funerário e os prejuízos de não fazê-lo.

 

Compartilhe este post em suas redes sociais e ajude outras pessoas a saberem mais sobre a tanatopraxia e sobre a possibilidade de oferecerem uma despedida mais tranquila aos seus entes queridos. 

2021-09-03T09:56:38-03:00
Call Now Button